CENTENÁRIO DE CRIAÇÃO DA IDENTIFICAÇÃO NA MARINHA

CENTENÁRIO DE CRIAÇÃO DA IDENTIFICAÇÃO NA MARINHA A criação do Gabinete de Identificação D'Armada, que tomou forma com a promulgação do Aviso Ministerial nº 312, de 21 de janeiro de 1908, com sede na cidade do Rio de Janeiro, tinha como finalidade a identificação de praças e de indivíduos que se destinavam ao Serviço da Marinha de Guerra. A Marinha do Brasil foi a terceira instituição pública brasileira a utilizar os princípios da datiloscopia desenvolvidos por Juan Vucetich, apenas cinco anos depois da instalação do Gabinete de Identificação e Estatística da Polícia Civil do Distrito Federal (atual Instituto de Identificação Félix Pacheco) e um ano após a criação do Gabinete de Identificação do Estado de São Paulo (hoje denominado Instituto de Identificação Ricardo Gumbleton Daunt). Atualmente, são emitidos por dia, pelo Serviço de Identificação da Marinha (SIM), cerca de 300 cartões de identidade, sendo a maior parte oriundos do próprio SIM e o restante coletado nos nove Postos Locais de Identificação da Marinha (PLIM) instalados nas sedes dos Comandos dos Distritos Navais e na Base Aérea Naval de São Pedro da Aldeia. Entre outras atividades, realiza processos de identificação domiciliar e hospitalar para idosos com dificuldades de locomoção, enfermos e pessoas com necessidades especiais. Fonte: Marinha do Brasil - www.mar.mil.br

Sobre o Autor: JORGE CESAR DE ASSIS

Advogado inscrito na OAB-PR. Integrou o Ministério Público Militar da União de 1999-2016. Integrou o Ministério Público paranaense de 1995-1999. Oficial da Reserva não Remunerada da Polícia Militar do Paraná. Sócio Fundador da Associação Internacional das Justiças Militares. Membro Correspondente da Academia Mineira de Direito Militar. Coordenador da Biblioteca de Estudos de Direito Militar da Editora Juruá.